Seminários em Ciências Ambientais

2 de outubro de 2017

Insegurança Hídrica em Cidades Afetadas pela Seca no Semiárido Brasileiro: Forquilha, Ceará.

Apresentação: Paula Alves Tomaz
Biografia: Graduada em Geografia pela UFC; Mestrado em Geografia pela UFC; Atualmente é aluna de doutorado também em Geografia na mesma instituição, sob orientação do Prof. Dr. Jader Santos – UFC e co-erientação da Profa. Dra. Wendy Jepson – Texas A&M, EUA.

Resumo do seminário: A Insegurança Hídrica é uma condição vivenciada no mundo todo por grandes populações diariamente, ela se faz presente deste a limitação da água em qualidade e quantidade para os setores industriais, agrícolas, ambientais e até as simples atividades domésticas. Admite-se que a insegurança da água constitui-se uma ameaça ou se faz presente em diversas dimensões. A insegurança hídrica refere-se ao estado de ameaças ao bem estar e a liberdade dos indivíduos, das comunidades ou da sociedade em geral devido as condições dos ambientais aquáticos que são provocados por impactos de eventos nocivos como inundações, secas ou incidentes de contaminação (GARRICK; HALL, 2014). Neste contexto, avaliar a insegurança hídrica em ambientes semiáridos torna-se relevante, pois nos parece mais complexo nesses territórios que envolvem várias dimensões como as questões ambientais que condicionam a disponibilidade da água no ambiente, direitos de usos, cultura de usos e manejo da água que a população tem desenvolvido durante anos. Esta pesquisa aborda a insegurança da água em termos domiciliares no município de Forquilha, Ceará. Pretende-se verificar a insegurança da água no agregado familiar, mas para, além disso, há a necessidade de se verificar a insegurança hídrica nas áreas urbanas e rurais comparando-as quanto a sua intensidade. A pesquisa está sendo desenvolvida em duas etapas, a primeira consiste em uma abordagem qualitativa onde se se aplicou o trabalho de campo, observação participativa, levantamento de dados e aplicação de entrevistas semiestruturadas. A segunda etapa consta de uma abordagem quali-quantitativa onde está se aplicando questionários domiciliares para aplicação das inferências estatísticas posteriormente. Contudo, pode-se concluir que a população do município Forquilha vive atualmente um quadro de insegurança hídrica domiciliar onde as causas vão desde a infraestrutura insuficiente até a gestão da água que prioriza outros usos em detrimento do abastecimento público.

Serviço

Data: 06 de outubro de 2017 – sexta-feira
Horário: 14 horas
Local: Auditório do Instituto de Ciências do Mar – LABOMAR – UFC

OBS.: o seminário é aberto e todos estão convidados